Ouvir não é suficiente

Prem Rawat: “A normalidade que as pessoas desejam foi o que gerou o coronavírus”.

O embaixador mundial da paz conversou com o Montevideo Portal, do Uruguai, sobre seu best-seller “Ouça a si mesmo” e o poder do equilíbrio interior.

Prem Rawat é um homem que dedicou sua vida a promover uma mensagem tão rara quanto necessária e atemporal: a paz.

Desde sua tenra infância até hoje, ele viajou por mais de cem países como embaixador da paz, transmitindo seus conhecimentos e experiências por um mundo melhor.

Quase premonitório, pouco antes da pandemia de coronavírus, ele publicou o livro Ouça a si mesmo, encontre a paz em um mundo barulhento (Aguilar, março de 2020), que já se tornou um sucesso.

O trabalho ajuda a encontrar paz e bem-estar dentro de nós, um lugar onde sempre podemos nos refugiar no meio de tanto ruído lá fora.

Em meio à crise da saúde, o autor indiano conversou com o Montevideo Portal sobre seu trabalho e a importância de empreender essa jornada interior.

Ouça a si mesmo foi escrito por você antes do mundo entrar nesta crise sanitária e as pessoas quase que do mundo inteiro ficarem praticamente confinadas. Nesta situação de crise, se você pudesse adicionar um novo capítulo ao livro, sobre o que seria?

Essa é uma pergunta muito interessante, porque eu não adicionaria outro capítulo. A única coisa que o coronavírus fez foi aumentar o ruído que temos entre os ouvidos e o ruído externo. Ele não os diminuiu. E não é o ruído o que nos ajudará. A ideia aqui tem que ser entender e focar em quem eu realmente sou, porque esse é exatamente um dos desafios da vida.

Não é que ele irá embora e com isso todos os problemas do mundo desaparecerão. Não. Haverá mais problemas. Haverá novos problemas. Haverá problemas diferentes. O coronavírus afetou o mundo muito rapidamente, mas antes havia outras epidemias que também ameaçavam o mundo inteiro, como o Ebola e a gripe aviária. E, claro, também a gripe espanhola de 1918.

Portanto, não é a primeira vez. Além da gripe, a Primeira e a Segunda Guerra Mundial afetaram negativamente o mundo de forma definitiva.

Então, sempre enfrentamos desafios. A questão é: o que realmente estamos ouvindo? Estamos ouvindo nosso ser, nossas necessidades? Ou estamos ouvindo nossos desejos? Porque se é sobre desejos, sim, eu gostaria que tudo estivesse bem. Eu gostaria que o vírus desaparecesse, mas isso não acontecerá. E mesmo no meio de todos os meus desejos, o que eu preciso entender na minha vida?

Então eu adicionaria um novo capítulo? Não, porque de uma maneira muito simples, o livro cobre tudo isso.

No seu livro, existem muitas referências à sua vida como piloto e às suas viagens ao redor do mundo. Como você acha que mudará a forma de você fazer o seu trabalho a partir de agora?

Bem, é muito, muito interessante, porque espero que mude para melhor; que exista mais consciência. Que as pessoas entendam que devem assumir a responsabilidade de criar um mundo melhor. Seria realmente maravilhoso se aprendêssemos uma lição com o coronavírus.

Mas também vejo que há um forte “desejo” da parte de todos de que tudo volte a ser “normal”, embora a “normalidade” que as pessoas desejam tenha sido o que causou o coronavírus e causou todos os problemas, o que fez com que os governos não estivessem bem preparados. Há pessoas que parecem dispostas a passar por esse ciclo novamente, sem ter aprendido nada com tudo isso.

Então, como isso vai mudar? Vou ter que ver qual será o impacto. Como isso vai me afetar, ainda se verá. Mais do que tudo, independentemente das consequências, espero que sejam consequências positivas para todos no mundo, consequências positivas para este planeta que é o único que temos, para todo e qualquer ser humano na face desta terra; que aprendamos algo e que as consequências sejam boas. Que aconteçam as mudanças necessárias para poder alcançar mais pessoas e transmitir a ideia de que estar vivo tem um significado. Que há “algo” dentro que precisam experimentar. Sempre houve uma sede por isso, e essa sede está sempre aumentando.

Você acha que os sentimentos negativos das pessoas podem aumentar em tempos de pandemia como esses? Se sim, como podemos mitigá-los?

Quando não podemos cumprir nossos “desejos”, ficamos muito frustrados, zangados e já foram vistas demonstrações de raiva durante esta pandemia. Ninguém gosta de saber que deve estar confinado. Algumas pessoas aceitam, mas muitos estão contra.

É muito curioso ver que as pessoas estão dispostas a dar mais importância à economia do que à vida. Chama muito, muito a atenção que as pessoas estejam dispostas a aceitar que um certo número de seres humanos abandone este mundo, mas não estejam dispostas a aceitar que a economia esteja prejudicada.

Por que a economia está prejudicada? Por que há um problema na economia? O que acontece é que, assim que tudo começa a correr bem, começamos a ficar endividados. Existem muito poucas pessoas neste mundo que não têm dívidas. Em algum momento, eles nos deram um pequeno cartão de plástico e disseram: “Aqui está, você não precisa mais carregar dinheiro, isso é suficiente”. Sem perceber, toda vez que usamos esse cartão de crédito, imediatamente nos endividamos.

Todo mundo está endividado, e isso chegou a tal ponto, que há pessoas que perceberam que sua vida vai mudar completamente, que não terão a mesma vida devido a suas dívidas.

Nenhum governo levou isso em conta, nem disse aos bancos ou instituições que tenham consideração com as pessoas. Que parem de cobrar os pagamentos que elas precisam fazer todos os meses, apesar do que está acontecendo, ou então elas perderão tudo o que têm.

É muito, muito chamativo. É assim que queremos viver? Acho que as pessoas têm que escolher. Essas são as coisas que geram negatividade nas pessoas. E, depende de nós como queremos viver.

Como você sugere em seu livro, este é o momento certo para sermos realistas. Como podemos nós, seres humanos, encontrar nosso equilíbrio na situação atual?

O equilíbrio que você procura está dentro de você. Não lá fora. Lá fora, tudo é extremamente instável. Pode parecer estável, mas, se for, é apenas por um tempo, logo torna-se instável novamente. Talvez se estabilize novamente, mas depois se torna instável novamente, porque essa é a natureza de tudo o que existe por aí.

Se o que você procura é paz e alegria em sua vida, isso está dentro de você. Você tem que entender isso. Você tem que sentir isso. Não apenas acreditar no que os outros lhe dizem. Não é apenas algo que você lê e diz: muito bem, o que estou procurando está dentro de mim. Não. Você precisa entender e sentir isso de verdade.

Se você estivesse com sede e alguém começasse a descrever a água, você não vai querer mais água? A descrição da água seria suficiente para você? Claro que não. Você vai querer água. Você, sem dúvida, teria certeza de ter acesso à água. Você a beberia, e então poderia saciar sua sede. E você poderia dizer: “sim, agora estou satisfeita”.

Com isto é igual. Os seres humanos precisam encontrar essa alegria, essa paz que está dentro de nós. Nós a procuramos lá fora, mas não a encontraremos lá. Lá fora, encontraremos algo diferente. Lá fora, talvez possamos encontrar segurança financeira. Lá fora, talvez possamos encontrar a satisfação de nossos “desejos”, que, aliás, nunca acontecerá, porque assim que satisfazemos um desejo, outro aparece, e outro e outro. Mas há uma necessidade fundamental que está dentro de você. A necessidade de estar em paz. A necessidade de sentir plenitude. E, a menos que isso aconteça, será bem difícil.

Você também diz que devemos continuar buscando nossa paz, mas onde devemos começar a procurar?

Esta é uma pergunta muito boa, porque muitas pessoas gostariam de uma fórmula para isso: você tem que fazer tal coisa. Mas a realidade não é assim.

Você quer saber o que é a paz? Em primeiro lugar, ela está em você. Você aceita isso? Você entende o que isso significa? Ou você procura um botão mágico, como você faz com tudo o mais? Me dê um botão mágico. Me dê uma fórmula. Me dê um número de telefone, uma URL para um site onde eu possa ir e encontrar todas as informações que preciso. Não é assim.

Uma coisa que você deve entender é: você está com fome dessa paz que está dentro de você? Para satisfazer essa fome, há algo que você deve plantar, regar, cuidar e deixar florescer. Não é o endereço de um restaurante onde você pode encontrar algo para comer. Não está nos livros. Você não a encontrará nos livros. Vou lhe dizer qual é a diferença entre livros e realidade.

A diferença é esta: em um livro você pode encontrar a descrição da água, mas no livro você não vai encontrar água. Em um livro, você pode encontrar a descrição da comida, mas não encontrará comida no livro.

É isso que você precisa entender primeiro. O que você está procurando está dentro de você e o primeiro passo é olhar para si mesmo. Se alguém apontar para o seu ombro e disser “você tem um inseto no ombro”, o que você fará? Eu não acho que você primeiro tente olhar e confirmar. Automaticamente, você tentará removê-lo com a mão: “ainda está lá?”

Da mesma forma, você precisa se tornar proativa, em vez de querer ter um sistema: me dê um livro, me dê isso, me dê aquilo. É isso que fazemos a vida toda. Mas nisso, você precisa se tornar mais proativa. Entender que a paz está dentro de você e que, se você a quiser, é aí onde você deve se focar.

Estamos nos dias de hoje, os seres humanos, em guerra com nós mesmos mais do que antes?

Acho que nem mais nem menos, estamos simplesmente em guerra. Estamos sempre em guerra. É uma coisa após a outra. Há muito tempo, talvez o medo fosse um leão que entrasse em nossa caverna e nos comesse. Hoje, talvez o medo seja que alguém nos expulse da nossa casa porque não pagamos uma dívida.

Talvez os catalisadores das coisas que nos incomodam mudaram, mas o aborrecimento não mudou. E acho que isso não mudará se continuarmos a viver nossas vidas inconscientemente. Portanto, a questão não é se estamos mais em guerra conosco agora do que antes, mas simplesmente estamos.

Montevideo Portal


Extraído do Montevideo Portal: https://www.montevideo.com.uy/Tiempo-libre/Con-Prem-Rawat–La-normalidad-que-las-personas-quieren-fue-la-que-genero-el-coronavirus–uc753970

Veja também

Share This